História

A Academia Musical 1º de Junho de 1893, também conhecida por Academia do Lumiar, foi fundada no final do Século XIX e fica situada na Freguesia do Lumiar; nessa altura, era um local algo longínquo do centro urbano da cidade de Lisboa, tratava-se de uma zona de quintas, com uma densidade populacional que não se compara com a dos nossos dias. Dadas as dificuldades de transporte da época, a Academia era o ponto de encontro e de diversão das famílias da freguesia.

A Colectividade teve como motivo fundacional a prática musical, mais precisamente, o desenvolvimento de uma Banda Filarmónica. Tal como era costume na época, a Colectividade incorporou no seu nome o dia da estreia da sua Banda Filarmónica, o dia 1 de Junho de 1893, data em que se apresentou no pátio dos Condes de Penafiel, no Lumiar. 

Desde essa data a Banda Filarmónica da Academia abrilhantou inúmeros eventos realizados na área geográfica circundante, quer fossem de organização própria, quer em colaboração com outras entidades vizinhas. 

Entretanto, a sua actividade foi-se diversificando de tal forma que hoje o leque ao dispor daqueles que procuram a Academia para ser satisfazer necessidades nos campos da Cultura, do Desporto e do Recreio é muito vasto. 

Na área cultural destacamos a Música (Piano, Guitarra, Banda Filarmónica e Coro), o Teatro, a Dança (Ritmos Latinos e Africanos) e a Marcha Popular, actividade em que a Academia assume a representação da Freguesia do Lumiar no Concurso de Marchas Populares de Lisboa. 

No que diz respeito ao desporto na Academia, pratica-se Basquetebol, Corrida, Ténis de Mesa, Xadrez, Ginástica e Karaté. 

Para além da componente recreativa que todas as actividades acima indicadas encerram, na Academia podem ainda praticar-se Jogos de Mesa (Cartas, Domino, Damas), Bilhar, participar em diversos eventos festivos ou, simplesmente, trocar dois dedos de conversa enquanto se toma uma bebida. 

A Academia do Lumiar entrou no Século XXI cheia de projectos, de vontade de chegar a mais, e mais, pessoas e de prosseguir aquele que é o seu principal fim: ajudar as pessoas a criar laços. 

É o que fazemos há mais de 120 anos e acreditamos poder continuar a fazer por muitos mais. 

Estatutos


Artº 1º - A Academia Musical 1º de Junho de 1893, adiante designada por Academia, fundada em 1 de Junho de 1893, é uma pessoa colectiva de direito privado, sem fins lucrativos, composta por um número indeterminado de associados, que adquirem a condição de Sócios pelas formas e com as categorias estipuladas em Regulamento Geral Interno.

 Artº 2º - Os Associados Efectivos, obrigatoriamente, e os de outras categorias que o Regulamento Geral Interno especifique, contribuem com o pagamento de quotas individuais, cujo montante é fixado em Assembleia Geral, as quais integram as receitas ordinárias da Academia.

 Artº 3º - A Academia tem a sua sede no Largo Júlio Castilho nº 3, freguesia do Lumiar, concelho de Lisboa.

 Artº 4º - A Academia tem por fim a promoção sócio-cultural dos Associados, através da actividade cultural, da prática desportiva e da acção recreativa, estando-lhe vedada toda e qualquer acção ou manifestação de natureza política ou religiosa, ou susceptível de ser considerada xenófoba ou socialmente discriminatória.

 Artº 5º - O funcionamento da Academia será garantido pelos órgãos sociais, e reger-se-á de forma prevalecente pelo disposto nos artºs 171º a 178º do Código Civil Português e supletivamente pelos presentes Estatutos e pelo Regulamento Geral Interno, cujas disposições em caso nenhum poderão ser contrárias ao estipulado naquele normativo legal. São órgãos da Academia a Assembleia Geral, a Direcção e o Conselho Fiscal.

      § 1º - A Assembleia Geral é constituída pela totalidade dos Associados no pleno gozo dos seus direitos de Sócio e quando reunida é dirigida pela Mesa da Assembleia Geral, que é composta por três membros, um dos quais será o Presidente.

                 A Assembleia Geral reunirá no mínimo uma vez anualmente para apreciação, discussão e votação do Relatório e Contas da Direcção e do respectivo Parecer do Conselho Fiscal, e ainda sempre que para o efeito for convocada pelo Presidente da Mesa da Assembleia Geral, nos termos estipulados no Regulamento Geral Interno.

                      São competências da Assembleia Geral as que lhe são cometidas por Lei e pelo Regulamento Geral Interno.

       § 2º - A Direcção é composta por um número ímpar de membros, com um mínimo de cinco, um dos quais será o Presidente, e que tem as competências e a forma de deliberar estipuladas no Regulamento Geral Interno.

       § 3º - O Conselho Fiscal é composto por três elementos, um dos quais será o Presidente, tem as competências e a forma de deliberar estipuladas no Regulamento Geral Interno.

 Artº 6 - A Mesa da Assembleia Geral, a Direcção e o Conselho Fiscal são eleitos em Assembleia Geral expressamente convocada para o efeito, sendo os respectivos Presidentes obrigatoriamente designados nominalmente para o cargo.

 Artº 7º - A representação da Academia, em juízo ou fora dele, compete à Direcção, nos termos estipulados no Regulamento Geral Interno, ou a mandatários por ela constituídos, nos termos e limites dos respectivos mandatos.

 Artº 8º – A Academia perdura por tempo indeterminado e a sua dissolução só poderá ocorrer nos termos legalmente previstos. Em caso de dissolução, o património da Academia que estiver livre de encargos e o que não esteja afecto a um fim específico por vontade do respectivo doador, reverterá a favor de uma obra de carácter social sem fins lucrativos a designar por deliberação da Assembleia Geral.

 Artº 9º - Nos casos omissos neste Estatuto, rege o Regulamento Geral Interno que, para todos os efeitos, incluindo a forma de aprovação e alteração, tem força de Estatutos.

Corpos Sociais

Direção                                                                                                                         Mesa da Assembleia Geral                                                                Conselho Fiscal

Presidente                         Artur Botão                                                     Presidente                     Saúl Abreu Bastos                                 Presidente       Jorge Moura Calheiros

Vice-Presidente            Alberta Borges                                                1º Secretário                Telma Lopes                                              Relator                Vítor Manso

Tesoureiro                        Hugo Sousa Carrusca                                  2º Secretário               Fernando Boto                                         Tesoureiro        Ana Maria Ranita

 Secretária                         Carla Botão

  Vogal                                  Renato Botão